Música Genérica: Nem toda canção precisa ser tão rigorosa no selo de qualidade

Um assunto vem sendo pauta frequente nos fóruns, comentários em sites e redes sociais mundo a fora é a tal música genérica.


Quando houve a migração de vários artistas do cenário POP, do Rap ou até mesmo do R&B pra Dance Music e a fusão destes estilos acabou por se tornar uma formula perfeita para hits. A qualidade caiu, e muito, em boa parte das produções, principalmente em termos de letra e melodia. Se antes um bom disco de música POP ou de R&B demorava meses ou até anos para ser finalizado por conta da difícil missão de criar uma letra, que acreditem não é fácil, e uni-la com uma melodia que se encaixe perfeitamente, hoje em dia existem milhares de canções com dois ou três versos aos quais pode ser adicionado qualquer instrumental, mesmo que algumas pareçam extremamente desconexas com a canção.


Todavia, nem sempre se trata desta questão, muitas vezes a canção é boa, mas mesmo assim o termo genérico já está tão impregnado nas nossas mentes e associado à um tipo específico de canção, artistas ou até mesmo ao próprio produtor, que independente da qualidade da faixa produzida, ela é genérica, farofa ou quantos outros nomes mais você puder inventar. Acontece que muitas vezes não sabemos delimitar bem a função daquela canção. Vocês acreditam mesmo que uma faixa de Dance Music foi criada para vocês ouvir a letra e ficar nostálgico no seu quarto, chorando lembrando-se de um amor do passado? Não é meio contraditório acusar uma música feita para os clubes e rádios populares de não ser nenhuma obra-prima digna de Whitney Houston ou Celine Dion?!


É muita ingenuidade acreditar que os artistas querem ficar no underground ou se contentando com o reconhecimento uma vez ou outra pelo resto de sua carreira, cruzando os dedos para que sua canção caia na graça do povo. Indubitavelmente eles querem o sucesso e acharam a maneira mais rápida de chegar a ele. E consequentemente, se eles conseguem tanto sucesso com tais produções, é porque muita gente gosta disso. E se tanta gente gosta, porque se preocupar tanto que existam centenas de Flo Ridas e Pitbulls, quando tem Adeles e Mariahs suficiente por ai. A música é algo tão impressionante que te dá um leque gigantesco de estilos e artistas aos quais você pode escolher o que e onde ouvir. Afinal de contas, o controle do iPod, do mouse e do sintonizador da rádio, vai sempre ser seu.

Comentários, o lugar da sua opinião